ComunicaçãoDízimo
 
 
 
 

São João Paulo II, o grande difusor da Comunicação na Igreja

04.05.2018 | 4 minutos de leitura
Fernanda Cristine Felicio
Evangelização
São João Paulo II, o grande difusor da Comunicação na Igreja

São João Paulo II, além de abrir-se e acompanhar as novas tecnologias, também percebeu sua influência e seu potencial para a evangelização moderna. Trouxe novas perspectivas para a comunicação social na vida da Igreja. Por meio dela, configurou uma nova imagem papal: aquele que quer estar presente na vida das pessoas mesmo quando os limites territoriais impedem que isso aconteça. Em seus pronunciamentos, ressaltou a importância da comunicação e mostrou-se convencido a cerca da capacidade dos meios para chegar até às pessoas e transformar suas vidas. O dinamismo do seu Pontificado acentuou o diálogo entre a Igreja e a Comunicação Social por meio de sua pessoa, suas ações e suas palavras. 

Internet: um canal para a proclamação do Evangelho

Por ocasião do 36° Dia Mundial das Comunicações Sociais, em 2002, São João Paulo II destacou a Internet como um novo foro para a proclamação do Evangelho, afirmando que, também na Igreja, existe a necessidade de abrir-se às revoluções de cada tempo, acolhendo as novidades do Espírito, como descobertas que vêm para potencializar as formas de evangelização.  

Se já houve essa discussão no ano de 2002, analisemos a realidade na qual estamos imersos hoje, mais de 15 anos depois. Vivemos a era da informação, da conexão, do instantâneo. Não existem fronteiras para a comunicação. 
No entanto, São João Paulo II já entendia que esse processo de adentrar o ciberespaço não se daria de qualquer jeito, sobretudo, a Igreja deveria (e deve) fundamentar-se e refletir atentamente sobre o que a Comunicação Social oferece: não importa somente o que, mas como a informação chega.

Aproximar-se desses meios requer entender que são meios, não fins em si mesmos. As oportunidades de evangelização são diversas, mas trazem consigo a necessidade de serem aproveitadas com discernimento, competência e clara consciência de suas potencialidades e fraquezas, conduzindo a algo muito maior: o encontro pessoal, a experiência com o amor de Cristo. É preciso despertar o interesse, a partir do contato inicial com a mensagem cristã no meio virtual, para o mundo real da comunidade cristã.

Uma comunicação comprometida com a verdade

Na mensagem ao 37° Dia Mundial das Comunicações Sociais, São João Paulo II chamou atenção para a autenticidade das informações e o alcance mundial dos mass media, uma vez que, o que é disponibilizado na rede torna-se acessível a pessoas que, por vezes, não se tem dimensão, pode ir muito além do que se pode imaginar. E isso tem dois lados: o positivo, de gerar pontes, e o destrutivo: de criar muros. Ainda, a mensagem afirma que, mesmo pertencendo a grupos de interesse diversos, os meios de comunicação não podem servir para gerar divisão, sobretudo, anunciar com fidelidade os acontecimentos, explicar corretamente as problemáticas e apresentar de maneira imparcial os vários pontos de vista é seu dever rigoroso, a fim de promover a justiça e a solidariedade nos relacionamentos humanos, em todos os níveis da sociedade, trazendo esse desafio à vocação e profissão dos agentes, uma vez que, aquele que o assume, tem compromisso com a verdade, com a justiça, liberdade e amor, com o serviço ao bem comum universal. 

São João Paulo II encorajou a Igreja a fazer uso das novas tecnologias na evangelização e na construção de uma sociedade mais justa e fraterna, tendo sempre a pessoa humana como centralidade, a fim de que se reconheça, também, seus impactos sobre o ser humano, suas expressões na fé cristã e na compreensão da dimensão religiosa da vida, não eximindo a necessidade do encontro, do contato, do olhar, do abraço, do sentir, mas explorando o potencial de difundir a Civilização do Amor e anunciar a Boa Nova do Evangelho.

Outros conteúdos de Fernanda
Comente com o facebook
 
  •